Aterro de Paradela: Juntas das freguesias afetadas dizem “basta” em carta aberta

0
1234

Os presidentes das Juntas de Freguesia de Laúndos, Rates, Estela, Aguçadoura e Navais (Póvoa de Varzim) e de Cristelo e Barqueiros (Barcelos) são os assinantes de uma carta aberta na qual afirmam que “é tempo de dizer «basta»” aos odores provenientes do aterro de Paradela, gerido pela Resulima.

Os presidentes das Juntas (Félix Marques, Paulo João Silva, Vítor Correia, Fernando Rosa, Abel Sá e José Ferreira, respetivamente) referem que as medidas para minimizar os cheiros não são aplicadas “porque todas as instituições com responsabilidades no licenciamento e fiscalização não exercem a autoridade que se impõe”, apesar do problema ser “muito fácil de resolver: basta haver vontade política”.

Na carta, dirigida às populações das freguesias afetadas pelos maus cheiros, é declarado que “fomos pacientes o suficiente e demos tempo para que a Resulima e as autoridades ambientais pudessem resolver o problema do ‘fedor’ e dos acessos adequados”.

“Não aceitamos que uma unidade que foi construída com fundos europeus cause um problema ambiental grave às nossas portas e nos tire qualidade de vida. Não queremos ser discriminados desta maneira!”, acrescenta.

Para os autarcas, “aqui chegados e com o final de 2023 à vista sem que o problema da Resulima esteja resolvido é tempo de dizer «BASTA!»”. Nesse sentido, indicaram que “em breve serão legalmente organizadas ações públicas de protesto”.

Relembram ainda a existência da petição pública ‘Resulima Fede’, que necessita de pelo menos 7.500 assinaturas para que o assunto seja debatido na Assembleia da República. “O vosso apoio para esta causa é necessário para voltarmos a ter a qualidade de vida que tínhamos antes do aterro da Resulima. É só isso que pedimos a quem nos governa!”, termina a carta.

Leia a carta aberta completa na publicação seguinte: