Correntes “fora da caixa” dão abraço digital “ao mundo inteiro” da literatura

“É um Correntes diferente e fora da caixa, mas também é isso que queremos levar a todos vós”. Foi com estas palavras que o vereador da Cultura da Póvoa de Varzim abriu a 22º edição do Correntes d’Escritas, que decorre entre sexta e sábado nas plataformas online.

É verdade que falta o contacto físico e pessoal mas, por outro lado, com este formato, “possivelmente até vamos chegar a outros públicos”, observou Luís Diamantino, na sua mensagem gravada.

O festival literário chega este ano às pessoas “numa ligação contínua” e “num abraço que não abrange só o cineteatro Garrett, a Póvoa de Varzim ou Portugal, mas sim o mundo inteiro da literatura”.

“Diferente mas pela razão de sempre”

Aires Pereira, presidente da Câmara, sublinhou, no seu discurso: “Não sei como descrever a sensação que me domina quando me vejo a falar para quem não vejo mas como se tivesse perante mim uma multidão”. Este é “um encontro diferente mas pela razão de sempre”, completou.

“Palavras a mais curta distância entre nós”

Graça Fonseca, ministra da Cultura, acrescentou: “É um Correntes diferente mas a verdade é que a cada ano sempre o foi, porque aqui nunca se adormeceu nos ganhos de ontem. O encontro não é o mesmo dos outros anos mas não deixa de ser um encontro: se há algo que este tempo de pandemia nos tem ensino é que as palavras – que tantas vezes nos separam e nos colocam de lados opostos das barricadas – podem ser também a mais curta distância entre nós.

“Para o ano aí estarei”

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, destacou a “persistência e resistência” do Correntes, e revelou: “Desejo que o nosso reencontro à maneira antiga – e futura – esteja para breve. Certamente que para o ano aí estarei e até já tenho mesmo a ideia de qual o formato. Não vou dizer qual para não me antecipar à organização”.

Todos os intervenientes deixaram palavra de apreço ao escritor Luis Sepúlveda, cuja última aparição pública foi no ano passado no Correntes. Viria a falecer meses depois de Covid-19.