Da paixão pela medicina à realização em transformar a vida das pessoas

0
2450

Com 23 anos de experiência profissional, o Cirurgião Plástico, Dr. João Lima, escolheu Portugal em definitivo para viver desde 2016. Porém, o País, nunca lhe foi estranho, filho de pai nascido na Póvoa de Varzim, sempre esteve muito perto dos costumes e da cultura portuguesa.

O médico, que tem mais de 5.600 cirurgias realizadas em sua trajetória profissional, declara que com apenas doze anos de idade já tinha a certeza da carreira que desejava seguir. “Desde muito jovem eu sempre tive a nítida impressão de que nasci para a medicina e as coisas foram acontecendo, não tenho nenhum médico na família, mas por ter nascido com uma fissura labial, desde muito pequeno vivenciei o ambiente de cirurgia, por isso, costumo dizer que eu não escolhi a cirurgia plástica, foi ela quem me escolheu. Quando tive a oportunidade de entender que era possível reverter um problema ou um complexo e promover uma mudança de vida, como eu tive, juntou a minha história de vida, com o que eu realmente gosto de fazer, e isso, me estimula cada vez mais. A saúde mental é quem controla tudo e ver a alegria no rosto dos pacientes, o sorriso, a mudança de atitude, a autoestima, esse é o sentido da medicina estética. Sempre gostei muito da cirurgia plástica da área estética e muitas vezes é difícil separar o que é estético do que é reparador, mas quando recebo as pacientes que procuram o bem-estar pessoal, isso é a minha motivação maior”.

A medicina estética tem avançado muito. Como vê essa evolução?

As novas técnicas, formas, produtos, são muito positivas de uma maneira geral, pois cada vez mais conseguimos chegar a resultados mais naturais em qualquer idade. Nos últimos dois anos principalmente eu desenvolvi muito na parte da medicina estética, tanto nos procedimentos que realizo, como nas formações que dou pelo Laboratório Sinclair. São cinco produtos que estão no topo de gama, quando falamos em indicações de fios tensores, bioetimuladores, preenchedores, toxinas botulínicas. São eles, o Silhouette Soft, o Ellansé, Lanluma, Maili e o Perfectha Derm, todos eles com excelentes resultados.

A sua experiência profissional e a constante atualização proporcionaram o convite a dar formações a novos profissionais?

Sim, foi algo que surgiu, e não foi procurei. Por exemplo, o Fio Silhouette Soft que eu já uso há nove anos, desde que foi lançado no Brasil. Não sei porquê, mas tinha uma resistência para fios, nenhum me agradava por algum motivo, e esse quando conheci completava todos os requisitos que para mim são fundamentais em termos de segurança, praticidade e eficiência. Quando o laboratório responsável pelo Silhouette me convidou para dar a formação, achei bem interessante porque era minha prática e já acreditava no produto, a composição é muito pratica e efetiva. Então casou bem, porque eu já tinha uma grande experiência o que para o laboratório era bom e acho que o sucesso das formações é porque os médicos percebem que eu uso o produto. Falo não para vender, falo a minha experiência minha experiencia real.

Além da evolução em técnicas e produtos, grande parte de sua formação é no Brasil, país de referência em cirurgias e procedimentos estéticos. Como é a relação Brasil/Europa auxilia nos procedimentos que realiza?

Estamos aqui para oferecer o melhor possível, a nossa Clínica completou quatro anos em Vila do Conde, e hoje temos uma equipa de especialistas que vão desde a área da nutrição funcional a todas as especialidades em tratamentos estéticos cirúrgicos e não cirúrgicos. O que nos possibilita fazer a indicação ideal aos pacientes que nos procuram, com a combinação de tratamentos que oferecemos, nós não estamos limitados somente a parte clínica ou cirúrgica, o que nós fazemos aqui, é indicar o ideal para cada caso. E essa relação Brasil/Europa, o que eu percebo é que antes de vir definitivamente para Portugal, durante alguns anos, vinha duas vezes por ano cá e fazia as cirurgias, depois voltava para o Rio de Janeiro. O que eu percebia das pacientes, era notar que eu era brasileiro, do Rio. Era como se fosse uma confiança a mais, e pessoalmente do meu lado eu via que tecnicamente no Brasil a gente é muito desenvolvido, mas a parte tecnológica aqui em Portugal e na Europa, são muito avançadas, os produtos aqui lançados demoravam de um ano a dois anos para chegarem ao Brasil. Essa possibilidade que eu tive de ir e vir eu juntava as duas coisas, a parte técnica e o acesso mais rápido à parte tecnológica, para mim foi uma mais-valia e acabo por transferir isso para as pacientes e atualmente também nas formações que dou. O facto de eu ter as duas vertentes, é com certeza uma mais-valia. Com a globalização as pacientes hoje aqui em Portugal já procuram muito mais os procedimentos estéticos e cirurgias plásticas. Acompanho essa mudança e a realidade aqui em Portugal tem evoluído muito e num ritmo muito rápido, principalmente na medicina estética. Claro que o fluxo de brasileiros para Portugal também traz esse estilo de vida, que cada vez mais tem sido exportado. A colónia brasileira em Portugal é muito grande e os hábitos não mudam, o brasileiro que vem para Portugal não quer deixar de fazer os procedimentos que fazia la. Com a evolução que temos, já não compensa mais ir ao Brasil para fazer uma cirurgia plástica. Acredito que essa influência são fatores que acabam por gerar essa procura maior por procedimentos estéticos.

Uma avaliação precisa da escolha de um bom profissional. O que o diria a quem deseja e tem o sonho de realizar procedimentos estéticos?

Quando a paciente pensa em fazer um procedimento o ideal é já ter uma referência do profissional, conhecer o histórico e a sua formação. Para mim o que funciona mais é ter uma paciente satisfeita, pois é ela quem vai indicar outra amiga. O segundo ponto é a avaliação, a consulta, seja ela pessoal, ou muitas vezes como eu tenho feito por vídeo conferência. O contacto pessoal, principalmente é fundamental, para sentir a expectativa da paciente, poder avaliar da melhor forma possível e orientar também. Criar uma relação de confiança com o paciente para mim é fundamental e isso é em todas as etapas, do pré ao pós-operatório, que é tão importante quanto a cirurgia. Gosto de detalhar tudo e explicar todo o processo, desde o seu objetivo ao tempo de espera e cuidados para um resultado de excelência.

“A medicina estética está aí para nos promover um envelhecimento saudável. Costumo dizer que não vejo a idade, a gente tem que estar bem para a idade que tem, ou seja, a paciente de 70 anos tem que estar bem para 70 anos, tem que estar bem com ela mesma. Não adianta pegar uma paciente de 80 e transformar em 40, esse não é o objetivo. Envelhecer todos nós vamos, mas o objetivo é envelhecer bem com a autoestima boa. Não só na parte estética, mas de suplementos e reposição, porque uma coisa tem haver com a outra e hoje temos uma gama de recursos para um envelhecimento de forma consistente, saudável equilibrada, e principalmente com bom senso”.

Percurso profissional

Nascido na capital carioca, formou-se em medicina pela conceituada Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Estética pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, desde o ano 2000, é membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Federação Ibero-Latino-Americana de Cirurgia Plástica. Credenciado pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro, Ministério da Educação do Brasil (MEC) e Associação Médica Brasileira (AMB) e Formador Internacional da Sinclair College. Em 2003, recebeu a equivalência da Licenciatura em Medicina pelo Hospital São João, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Contactos

Clínica de Cirurgia Plástica Dr. João Lima

Av. Júlio Saúl Dias nª 123 – Vila do Conde

Contacto 252 100 481 (chamada para rede fixa nacional)

www.drjoaolima.com

Instagram: clinica_dr_joao_lima