Elisa Ferraz diz que Vila do Conde disponibilizou local para vacinas e acusa PS de usar “amigos no governo” para fazer pressão

0
1205

Elisa Ferraz diz que Vila do Conde disponibilizou instalações com todas as condições para acolher o processo de vacinação contra a covid-19. Simplesmente, as entidades nacionais determinaram que, para já, iria haver apenas um posto por cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS). O concelho escolhido foi a Póvoa de Varzim porque em Vila do Conde já funciona há quase um ano a consulta dedicada à covid.

Estes esclarecimentos vêm na sequência de um comunicado na sexta-feira de Vítor Costa, do PS/Vila do Conde, dizendo que o município “nada fez” e que ele próprio iria “estabelecer contactos, sensibilizar e exigir um posto de vacinação em Vila do Conde”.

A presidente de Câmara, eleita pelo movimento NAU, respondeu hoje em conferência de imprensa, falando em “maledicências e informações completamente falsas” que é preciso desmentir.

“O PS afirma que a Câmara não disponibilizou instalações para receber as vacinas. Isto é completamente falso. No dia 29 de janeiro eu recebi uma comunicação da diretora do ACES, Judite Neves, a dizer que o centro de vacinação ficaria na Póvoa de Varzim, evocando um princípio que respeitei. Devido a um projeto-piloto de cariz nacional, cada ACES só poderá ter um centro de vacinação. Ora, este será na Póvoa porque em Vila do Conde, desde o mês de março, já funciona a consulta dedicada à covid no Centro de Saúde, que continua até hoje e que recebe os utentes do nosso concelho e da Póvoa de Varzim. Ou seja, como já havia a consulta covid na Vila, agora o centro de vacinação foi para a Póvoa”, explicou.

“Respeitei por princípio mas também disponibilizei os espaços que fossem necessários para acolher as vacinas. É preciso lembrar que na fase anterior foram vacinadas mais de 1.000 pessoas no nosso pavilhão desportivo”.

“Nunca nos foi perguntado se tínhamos condições ou não. A verdade é que temos equipamento, sistema de frio, voluntários e condições, para, no imediato, instalar um centro de vacinação. Mas foi-nos dito que não será para já”.

Elisa sublinha ainda que a Câmara contactou, no dia 1 de fevereiro, todas as Juntas de Freguesia no sentido de se prepararem para transportar as pessoas ao local de vacina, algo que tem acontecido.

A edil acrescentou também que lhe foi “penoso” ter de dar esta conferência numa altura tão “dramática” para todos em plena pandemia.

“Pressão que não podemos compreender”

Após ter dado estas explicações, Elisa Ferraz criticou a “ameaça” do PS exercida sobre o executivo municipal. “Estão a dizer-nos que vão agora aos seus amigos do governo e que haverá centro de vacinação em Vila do Conde”.

“Isto é um terrorismo e uma pressão que nenhum de nós pode compreender. Estamos num Estado de Direito com regras ou, pelo contrário, há os amigos que conseguem do governo aquilo que uma presidente eleita e o seu executivo não conseguem?”, questionou Elisa Ferraz.

“Há quem se aproveite politicamente para exercer estas pressões, em tempo de pandemia e à revelia dos eleitos. Sinto-me extraordinariamente ofendida. Isto nada tem a ver com oposição política mas sim com artimanhas” por parte dos “arautos das mentiras”, disse, antes de concluir. “Existe um município aqui à volta – Esposende – onde os compadrios deram resultado. Foi uma situação igual e lamento profundamente”, referiu.

“É bom que os vila-condenses tenham conhecimento destas falsidades e falta de ética”.