História e tradição, os 40 anos da Barbosa Ourivesaria (Vídeo e fotos)

0
3618

Uma história que começou com o sonho de um menino de apenas 12 anos de idade, que se apaixonou pela arte da ourivesaria. Do amor a um negócio familiar de sucesso que chega aos seus 40 anos, e de uma parceria repleta de cumplicidade entre pai e filho, que passa de geração em geração, ao sucesso de um dos comércios mais tradicionais da Póvoa de Varzim.

Filho mais novo de uma família de nove irmãos, Fernando Barbosa desde muito miúdo já sabia a profissão que desejava seguir. Inspirado pelo irmão, José Guimarães Barbosa, onze anos mais velho, conheceu a arte de ourives. O menino que, ao concluir a quarta classe, teve o pai à sua beira a dizer que iria, assim como ele, trabalhar como picheleiro, emociona-se ao contar como tudo começou. “Pai, eu acho que quero uma coisa melhor para mim, eu quero ir para a beira do meu irmão, José, e assim como ele ser ourives”. Na altura, o irmão trabalhava com Pedro José Vilaça, que, mal soube do interesse de Fernando pela ourivesaria, convidou-o a trabalhar na maior oficina da Póvoa de Varzim. O dom e o gosto pelo artesanato em ouro foi crescendo, assim como a aprendizagem, aos 20 anos, quando vai para a Tropa, Fernando Barbosa já era um artista. Já quando regressa em 1968, retoma o trabalho como ourives, ano após ano foi tomando cada vez mais gosto e a certeza que ali iniciava uma linda trajetória de vida. Incentivado pelo sogro, João Gomes Ferreira, na época um dos maiores empreiteiros da Póvoa e um homem de muita visão, que lhe ofereceu uma loja para abrir o próprio negócio. Nasce então, em 01 de julho de 1984, a Barbosa Ourivesaria.

Alguns anos depois, já com as portas da ourivesaria abertas, Fernando começou a perceber o potencial do filho João. “A mãe queria que ele fosse doutor, eu insisti e fiz como o meu pai e chamei-o para trabalhar comigo muito cedo, aos 16 anos ele já estava no balcão. Sacrifiquei-o muitos sábados, mas sempre tive um bom coração e sabia o gratificar. Eu com o público, nunca foi o meu forte, era sempre a trabalhar na oficina, mas ele nasceu para isso, é esperto, comerciante, relações-públicas e, por isso, nos completamos, eu na oficina e ele no balcão com a habilidade que tem de conquistar as pessoas”.

Ao relembrar a trajetória, junto ao pai, João Barbosa agradece e reconhece o esforço do pai. “Nunca na minha vida eu poderei esquecer o esforço do meu pai nos inícios, desde que comecei a estar mais junto do negócio e onde também durante vinte e seis anos eu e meu pai fomos não só parceiros de negócio, não só pai e filho, mas sim dois cúmplices. Entretanto, há cerca de onze anos, meu pai deixou de estar comigo no ativo, e a minha esposa vem para darmos essa continuidade. Hoje, a Isabel é uma pedra fundamental no sentido de estar cá connosco. As gerações existem e cada uma tem o seu mérito. Hoje, estou eu cá, mais atualizado no sentido de comércio, mas nunca posso esquecer que, nestes 40 anos, houve aqui um esforço muito forte do meu pai a nível de oficina que complementou a ourivesaria no sentido de comércio. Agora há está continuidade e espero que o futuro seja brilhante. Sempre na humildade, na responsabilidade e obviamente na honestidade, que é fundamental num ramo destes. Porque além de estarmos a vender valor, estamos também a vender amor, que é uma coisa muito importante. Quando as pessoas vêm à ourivesaria comprar seja o que for, desde o anel de noivado à pulseirinha do bebé, elas estão a comprar amor”.

Longevidade e muitos projetos para o futuro, a espelhar-se em muitas empresas de sucesso da Póvoa, João Barbosa diz que para tudo é preciso persistência. “Tudo hoje é preciso ser feito com amor pelo que se faz e muita persistência, há empresas que realmente têm um sucesso longo, e eu espero que a nossa também tenha um sucesso longo, estamos ao meio do caminho, já é um marco histórico na minha opinião. Estes quarenta anos de atividade levaram-nos também a uma conquista de uma clientela cada vez mais primordial, eu cada vez mais vou dar mais miminho, mais atenção ao cliente que vem cá. Portanto, à clientela da minha ourivesaria, antes de mais muito obrigado, tenho os melhores clientes do mundo e cada vez mais vou protegê-los e vou lhes dar mais atenção. Porque são pessoas que vêm cá para comprar amor”, finaliza João Barbosa.