Pequenos passos, grandes contributos – Opinião de André Valério

0
1310

Nunca como hoje foram tão urgentes a aproximação e a compreensão sobre o nosso património natural. Essa conexão íntima com o mundo natural é crucial para desenvolvermos uma consciência real do impacto que exercemos sobre o planeta e para adotarmos uma posição ativa na luta contra as alterações climáticas e a perda de biodiversidade.

 “Agir de forma desarmoniosa induz modificações no sistema as quais atuam justamente no sentido de tornar inoportuna a presença do causador daquela desarmonia. Ou seja, esse ser é expulso, perde a liberdade de poder querer”

Ernst Götsch, nesta frase, lembra-nos que agir de forma desarmoniosa com o ambiente natural não apenas causa danos ao ecossistema, mas também desencadeia reações que, inevitavelmente, tornam a presença do agressor inoportuna.

Esta ideia convida-nos a considerar as consequências das nossas ações sobre o mundo natural. Quando perturbamos o equilíbrio dos ecossistemas, seja através da poluição, da destruição de habitats ou de práticas agrícolas não sustentáveis, estamos a desencadear uma resposta adversa do sistema que, em última análise, pode levar à nossa própria exclusão.

Ao reconhecermos e respeitarmos os padrões e processos naturais, podemos evitar essa desarmonia e criar espaços de coexistência entre os seres humanos e o meio ambiente. Essa é a essência da aproximação à natureza: não apenas admirar sua beleza e utilidade, mas também compreender e honrar a sua complexa teia de vida.

Assumir o papel de cuidadores responsáveis do nosso planeta é uma responsabilidade que cada um de nós, como ser humano, deve abraçar.
Ao explorarmos e aprendermos sobre o nosso património natural local, podemos desenvolver um profundo respeito pela biodiversidade que nos rodeia e compreender melhor como as nossas ações afetam diretamente no equilíbrio dos ecossistemas. Essa consciência vai capacitar-nos a tomar decisões mais informadas e a adotar práticas mais sustentáveis e responsáveis na nossa vida.

Além disso, ao participarmos ativamente na proteção e preservação dos recursos naturais, contribuímos para a construção de comunidades mais resilientes e sustentáveis. Isso envolve a promoção da conservação de habitats naturais, a proteção da biodiversidade, a redução do desperdício e a promoção de estilos de vida mais amigos do ambiente.

Como ilustrador e observador da natureza, ao passar várias horas em profundo contacto com o mundo natural, desenvolvi uma profunda admiração pela complexidade e interconexão dos ecossistemas ao meu redor. Essa conexão visceral com o mundo natural impulsiona-me a partilhar a minha paixão e conhecimento com os outros, na esperança de inspirar a uma maior valorização do nosso património natural.

Através do meu trabalho, busco captar não apenas a beleza superficial, mas também a essência e a importância de cada espécie e do seu habitat. Cada traço e detalhe é uma homenagem à biodiversidade que nos rodeia e um apela à necessidade urgente de proteger e preservar o tesouro que é a natureza.

Ao partilhar o meu conhecimento espero despertar uma nova apreciação pelo mundo natural e inspirar ações concretas em prol da sua conservação. Acredito que, assim como eu, cada indivíduo tem o poder de fazer a diferença, seja através da educação, da arte ou do simples ato de se conectar com a natureza num nível mais íntimo.

O meu convite é juntarem-se a mim nessa jornada de descoberta e estudo do nosso património natural, que possamos aprender com a sabedoria da natureza e trabalhar juntos para garantir um futuro sustentável para todas as formas de vida que compartilham este planeta connosco.

André Valério, Ilustrador, Designer e Voluntário do Centro do Clima