Póvoa reconhece cidadania e negócio familiar no aniversário da elevação a cidade

0
5988

[notification type=”notification_warning” ]Clicar em HD para visionar o vídeo com melhor resolução[/notification]

Ao comemorar os 43 anos de elevação a cidade, a Póvoa de Varzim entregou esta quinta-feira ao final do dia, três Medalhas de Reconhecimento Poveiro Grau Prata, a Armando Marques, Manuel Agonia Areias e Ourivesaria Tavares, e uma Medalha de Cidadão Poveiro, a Miguel Sousa Neves.

O primeiro homenageado, Armando Marques, apontado como o “poveiro global”, não escondeu a emoção e agradeceu o reconhecimento, dizendo: “este reconhecimento é o culminar de uma vida, que já vai longa, e reconhece o que fiz pela minha Póvoa nas várias áreas”.




Já Manuel Agonia Abreu, conhecido por Nia Preu, mestre da Lancha Poveira, lembrou que tem feito do mar, onde trabalhou desde os 9 anos, parte da sua vida e agradeceu o reconhecimento.

Para Carlos Tavares, que recebeu a Medalha entregue à Ourivesaria Tavares, “este momento é um dos marcos mais importantes da história da ourivesaria” e que é um incentivo para continuar o projeto abraçado pela família de comemorar o centenário, aproveitando a experiência obtida nos mais de 90 anos na cidade, aliado à inovação e novidade para uma ourivesaria mais forte”.

Miguel Sousa Neves, que adotou a terra como sua há 25 anos, lembrou que o reconhecimento é também à comunidade local, justificando: “Somos aquilo que vivenciamos. Sem a comunidade é difícil crescer”.

No final da cerimónia, o presidente da Câmara Municipal, Aires Pereira, realçou: “a cidadania é a alavanca ao desenvolvimento das cidades”.

Fotografias: Fosé Novais