Varzim vai agarrar-se à possibilidade da subida “com unhas e dentes”

0
2026

O Varzim, 6º lugar com 7 pontos na Fase de Apuramento de Campeão da Liga 3, ainda tem esperanças de chegar ao 3º lugar, que dá acesso ao play-off de promoção à II Liga. Tudo passa pelo jogo de sábado, frente ao Braga B: “resta-nos a esperança de entrar na luta. Para entrar na luta, temos de, amanhã, trazer os três pontos de Fão”, indicou Vítor Paneira, treinador alvinegro, na conferência de imprensa de antevisão à partida.

O indicador que dá mais força à equipa é mesmo o apoio da massa associativa, que “esgotou numas horinhas os bilhetes para o jogo. Significa que eles também acreditam que nós podemos fazer um bom jogo e trazer uma vitória”.

De resto, “temos de ser inteligentes na forma como iremos abordar este jogo, mas temos condições de lutar pelos três pontos e é isso que vamos fazer, nesta réstia que temos, pequena, mas que está lá e que nós podemos ainda agarrar-nos a ela com unhas e dentes”.

O jogo Braga B-Varzim disputa-se às 11 horas de amanhã (13), no Complexo Desportivo Clube de Futebol de Fão. A partida, da jornada 9 da 2ª Fase da Liga 3, tem transmissão no Canal 11.

Leia as declarações de Vítor Paneira em antevisão ao jogo:

O Varzim joga com o Braga B. Renasceu a esperança, depois da vitória no último jogo, de chegar pelo menos a um terceiro lugar?

As contas ainda não estão fechadas para ninguém. As coisas estão mais complicadas após a derrota com a Académica. Agora, com a Vitória frente ao Lourosa, as contas ficaram abertas. Sabemos que é extremamente difícil e que vamos encarar jogo a jogo. É um jogo importante para nós, no dia de amanhã, como é seguramente importante para o Sporting de Braga, também deve ter aspirações a tentar chegar a uma posição que lhe dá essa garantia de poder lutar por uma subida de divisão. Nós vamos ter de correr atrás do prejuízo, e tem sido um pouco isto, também, ao longo da época.

Apesar do Varzim ter poucas hipóteses, ainda as tem, mas já não tem pressão, porque tudo que vier é ganho, depois de tudo que aconteceu e também da má entrada nesta fase. Essa pressão menor que a equipa tem pode beneficiar, pode soltar a equipa, para jogar mais descontraída, ou ela existe sempre?

Eu acho que, ao jogar no Varzim, a pressão tem de existir sempre. Todos nós, durante tanto tempo, e pensamos isso com naturalidade, que o Varzim é um clube exigente e que exige sempre que a gente lute pela Vitória. Portanto, não há descompressão nenhuma. Há a pressão normal de jogar no Varzim e ter de jogar sempre para dar o máximo e tentar ganhar os jogos. E é isso a nossa intenção amanhã, jogar com o Sporting de Braga, que é uma equipa jovem, mas com muita qualidade. Nós já fizemos três jogos contra eles, vencemos dois e tivemos um terceiro, em que eles fizeram 20 minutos de excelência e depois nós também controlámos o jogo e podíamos ter feito aí mais qualquer coisa.

Mas isto é nos confrontos diretos. Este é um jogo diferente, é um jogo importante para nós, é um jogo importante para o Sporting de Braga, resta-nos uma esperança de entrar na luta. Para entrar na luta, temos de, amanhã, trazer os três pontos de Fão. E é isso que estamos a encarar este jogo e preparar este jogo para fazermos um bom jogo. O indicador mais forte que nós podemos ter é que a nossa massa associativa esgotou numas horinhas os bilhetes para o jogo. Significa que eles também acreditam que nós podemos fazer um bom jogo, trazer uma vitória.

Vai ser extremamente difícil, a percentagem que temos é menor que mais 4 ou 5 adversários, é verdade, mas temos essa percentagem. Vamo-nos amarrar a isso como sempre fizemos e como sempre lutamos, e vamos lutar até ao fim. Vamos dar o máximo neste jogo, sabendo que é um jogo importante. Temos de ser inteligentes na forma como iremos abordar este jogo, mas temos condições de lutar pelos três pontos e vamos fazer isso. É isso que nós vamos fazer, nesta réstia que temos, pequena, mas que está lá e que nós podemos ainda agarrar-nos a ela com unhas e dentes.

Uma semana que é marcada já pela ausência do Ricardo. Como é que foi a primeira semana pós-Ricardo?

Eu ontem estava a fazer um exercício que, para além de termos perdido já cinco jogadores até janeiro, não podermos ir ao mercado, fomos à equipa B buscar cinco jogadores que já estão a trabalhar connosco e que foram lançados na equipa principal. Perdemos agora o Ricardo esta semana, que tinha sido o capitão intocável até ao momento. Foi mais uma perda, mas temos que seguir em frente. Temos guarda-redes com qualidade que se querem mostrar e que estiveram sempre à espera de uma oportunidade e a trabalhar bem.

É uma perda para o grupo, que nós sabemos da importância que tem e que teve o Ricardo durante este tempo todo aqui dentro. Mas é encarar agora o futuro, de uma forma positiva, em que nós nos podemos relançar e não fazer disto aqui uma campanha. É pensar que nós lançámos cinco miúdos nesta época da equipa B, que joga na regional. É preciso perceber isso, num contexto também ele muito difícil. E que nós conseguimos lançar cinco jogadores e que estamos preparados para lançar mais jogadores. Perdemos mais um, mas continuamos vivos e vamos lutar.

O Varzim é isto, é superação, e nós temos de nos superar nos momentos difíceis, de um clube com um historial que está a passar um momento extremamente difícil, possivelmente dos mais difíceis da sua história, mas que nós acreditamos que aqui há muita alma, muita paixão, muito coração, muita honra, e muita dignidade. Nós vamos agarrar com unhas e dentes amanhã isto tudo até ao final da época, vamos dar o nosso máximo. E o máximo nós provámos, contra todas as expectativas, no último jogo, o primeiro contra último. Num jogo de uma primeira parte atípica no futebol de grande qualidade, e o Varzim conseguiu superar-se e ganhar o jogo. Se havia dúvidas do caráter destes jogadores e da vontade que têm de representar este clube, ficou bem patente no último jogo.

Vocês trabalham com a Comissão Administrativa. O facto de agora o Ricardo ter assumido a candidatura a presidente do Varzim, como é que foi a reação no balneário?

Eu vou-lhe dar a minha opinião, eu acho que foi importante para acalmar, de alguma forma, tudo o que possa andar a pairar aqui à volta do clube. Foi bom, também, para a comissão, porque percebe que há futuro. Pelo menos já há uma lista. É uma lista que tem credibilidade, portanto, possivelmente vão aparecer mais listas e o Varzim é feito disto. No momento da dificuldade, surge em algum lado pessoas sérias e competentes para tentar tomar conta disto.

Nós encaramos, dentro do balneário, um homem do futebol que tem 22 anos de carreira de futebol, que conhece e sabe como é que as coisas se fazem no futebol, o que é bom no futebol, o que é mau no futebol. Naturalmente ele vai ter de ter uma postura completamente diferente. Ele tem de saber aqui que quebrou uma barreira, que deixou de ser jogador, vai passar a ser diretor eventualmente, pondo a hipótese que ele vai vencer ou não as eleições. Mas que o futuro vai ter de romper aqui com aquilo que foi jogador. Não esquecer aquilo que ele foi, porque tem de pesar muitas vezes as decisões dele, de saber que foi jogador e saber aquilo que passou, mas terá de ter decisões completamente diferentes e tem de olhar para aquilo que é que a gestão, se for a gestão do clube. O Ricardo acho que vai estar bem preparado para isso.

Apesar de ter contrato para a próxima época, foi um dado importante também para analisar o seu futuro no Varzim?

O meu futuro está parado, tenho um ano de contrato. Não abordamos qualquer situação. Não faz sentido abordar qualquer situação até ao final da época, e ver o que é que vai acontecer. Não sabemos o que é que vai acontecer no futuro próximo. Faltam seis jogos. Vamos tentar dar o máximo destes jogos, agarrar-nos àquilo que disse a pouco, que é a única esperança que temos para poder ainda lutar. Este jogo pode-nos pôr lá dentro. Vamos encarar este jogo.

Tenho mais um ano, toda a gente sabe, mas isso depois se vai resolver, se sim ou se não, se ficarei ou não no Varzim, se querem ou não Vítor Paneira no Varzim, as condições que vão que vão aparecer, e qual será o naturalmente o projeto.