DGS avisa que “nem todas as pessoas vacinadas vão ficar imunizadas”

Na conferência de terça-feira sobre a pandemia, a diretora-geral da Saúde disse, sobre a vacinação, que já “foram distribuídas 32 mil doses, mas estas carecem de outras 32 mil para completar o esquema vacinal. Segunda-feira iniciou-se a vacinação nos lares de idosos e temos de ter critérios de prioridade, o que neste caso são os concelhos de maior risco. Vão ser vacinadas cerca de 150 instituições e serão abrangidas cerca de 12 mil pessoas”, referiu, acrescentando que as autoridades estão “a considerar o critério idade”. “As pessoas mais idosas são uma das prioridades do ministério da Saúde”, disse .

Graça Freitas avisu contudo que “nem todas as pessoas vacinadas vão ficar imunizadas, porque a vacina não é 100% eficaz e ainda não temos imunidade de grupo”, alertou. “As pessoas que estão à volta também não estão protegidas e temos de continuar a usar os nossos métodos de proteção, que não podem ser abandonados enquanto não houver imunidade de grupo. Aconselho as pessoas a estarem atentas a sinais e aos sintomas que já conhecem e que contactem as autoridades de saúde. Isso é muito importante para evitar novas cadeias de transmissão”.

Relativamente ao aumento do número de novos casos, a diretora-geral da Saúde afirmou que “mesmo que os números aumentem, o SNS ainda terá capacidade de se adaptar, reorganizando a sua oferta de cuidados. É uma preocupação acrescida, mas o SNS está a preparar-se para isso e vai conseguir adaptar-se”.

Foto arquivo