Bandas filarmónicas estão a perder receitas e pedem apoio ao Governo

497

Devido à pandemida da Covid-19 e ao cancelamento das festas populares e religiosas, com a consequente falta de receitas, a Confederação Musical Portuguesa (CMP) vai pedir apoio ao Governo para as bandas filarmónicas.

Para o presidente da organização, Martim Caetano, “os prejuízos financeiros são de elevado montante porque, na maioria dos casos, o financiamento anual de uma banda filarmónica provém das receitas dos seus serviços”.

“O prejuízo é enorme, até porque existe já uma decisão da Conferência Episcopal Portuguesa que adia um ano todos os eventos de cariz religioso, nomeadamente as festas e romarias, onde obrigatória e historicamente as bandas filarmónicas portuguesas têm uma presença contínua e indispensável”, referiu o dirigente.

Neste quadro, o presidente da CMP teme o encerramento de algumas bandas, sobretudo aquelas que “têm pouco apoio financeiro das Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia”, que têm um “papel fundamental” no financiamento das filarmónica.

Contactado pelo MAIS/Semanário, Paulo Sousa, presidente da Banda Musical da Póvoa de Varzim, disse que aguarda mais informação e documentação da Confederação Musical Portuguesa para analisar o processo de apoio.

O dirigente já tinha referido no final do mês de março que “se só olharmos até ao mês de junho, então estamos a falar de uma quebra de aproximadamente 60% do orçamento anual da banda”