Câmara aprova projeto de requalificação do bairro da Matriz

1468

Na reunião do executivo de terça-feira foi aprovada a recuperação do bairro da Matriz, avaliada em mais de 2 milhões de euros.

No final da sessão, o presidente da Câmara Municipal falou aos jornalistas para detalhar alguns aspetos da empreitada. “É uma obra incluída no projeto de mobilidade urbana de recuperação de todo o casco histórico da Matriz. Tem por objetivo a requalificação de todos arruamentos envolventes e a transformação de grande parte dos arruamentos que lá estão em arruamentos pedonais ou de acesso condicionado a moradores, dentro do que fizemos nas ruas José Malgueira, Santos Minho ou Hortas”, disse Aires Pereira, líder da maioria PSD.

“Queremos voltar a dar vida àquele bairro, uma das áreas onde menos intervenções houve”, lembrou o edil, justificando que “há condições para nascer ali um espaço muito interessante”.

O que se pretende é “aumentar a qualidade de vida” dos residentes e fazer com que possa haver “mais gente a viver no centro histórico”, sem esquecer a reabilitação do comércio local.

“Os próprios particulares podem recorrer a alguns instrumentos financeiros com taxas muito bonificadas, para além de um regime especial de licenciamento ou de isenção de IMI durante um determinado período”, disse Aires Pereira, para quem não interessa haver apenas recuperação dos arruamentos se isso não se traduzir também na recuperação do edificado circundante.

Até final do ano, Aires espera ter as tramitações burocráticas resolvidas para então dar início à obra, que deverá demorar um ano e meio e será feita de forma faseada. Abarcará então a zona nascente da Praça do Almada, Rua do Visconde, Rua da Igreja, Cidral, 1º de Maio, e toda essa zona envolvente, ruas interiores, arruamentos que vão dar à igreja Matriz, abrangendo também a artéria onde está a Beneficente e a capela da Senhora das Dores.