Pescadores garantem peixe fresco mas pedem apoio ao Governo

616

Os pescadores do norte do país asseguram que “está garantido peixe fresco para os consumidores portugueses”, mas pediram apoio ao Governo para reduzirem até 30% a permanência da frota no mar. “Temos capacidade para garantir peixe fresco para as necessidades do país, mas temos sentido uma quebra na procura com fecho de muitos mercados e restaurantes e com as limitações de acesso aos hipermercados. Não vale a pena estarem todos os barcos no mar se depois não venderem o que pescaram”, disse José Festas, presidente da Associação Pró Maior Segurança dos Homens do Mar (APMSHM).

Assim, o dirigente vai enviar ao Governo uma proposta para “restringir, temporariamente, entre 20 a 30%, a permanência dos barcos em atividade”, mas pedindo para os que ficam em terra “uma linha de crédito ou um subsídio para que pescadores possam continuar a sobreviver”. “Se todos forem para o mar, não vão conseguir rentabilizar o que pescam, porque a procura é menor. Se reduzirmos a atividade dos barcos e aplicarmos medidas de rotatividade entre a frota, vamos ter mais equilíbrio. Para os que não vão trabalhar através dessa medida, o Governo terá de apoiar pela redução de atividade”, disse o líder associativo.

Lavar as mãos e limpar os barcos

José Festas lembrou que parte do peixe capturado pelos barcos nacionais se destina a Espanha “onde também se sentiu uma redução da procura”, vincando que “este é um setor que lida sobretudo com produtos frescos que são vendidos em quantidades limitadas”.

O presidente da APHSM garantiu, ainda, que foram dadas recomendações aos pescadores para minimizarem o perigo de contágio de Covid-19, vincando que o facto das tripulações da maior parte das embarcações não excederem os 10 homens minimiza os riscos de propagação. “Temos recomendado que lavem as mãos várias vezes, que limpem os barcos, e que quando saem de trabalhar evitem estar em grandes grupos e permaneçam em casa. É importante que todos estejam com saúde para estar no ativo”, disse José Festas.

O dirigente partilhou que as medidas de segurança e higiene nas lotas geridas pela Docapesca, nomeadamente a redução de tripulantes na entrega do peixe, “estão a funcionar bem e não têm causado transtorno à atividade”.