Centro Educativo Santa Clara com investimento de 103 mil euros

263

O Estado investiu 103 mil euros para reabrir o Centro Educativo de Santa Clara, em Vila do Conde, que este ano voltou acolher jovens institucionalizados, algo que não acontecia desde 2014, quando foi encerrado por tempo indeterminado.

Nesse ano, e fruto de um diferendo na parceria público-privada que fazia a gestão do centro, foi ordenado o encerramento do equipamento, forçando a transferência dos cerca de 40 jovens que aí residam para outros centros do país.

Na segunda-feira, na cerimónia de oficialização da reabertura do equipamento, que já acolhe utentes desde o início do ano, a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, responsável pela tutela do equipamento, frisou a importância do funcionamento do centro nesta região norte.

“Era uma pena um equipamento com este estar desaproveitado. O ministério da Justiça tinha muito interesse que reabrisse, e é uma satisfação poder dar a estes jovens uma maior proximidade com as famílias e proporcionado que façam neste local com todas as condições a sua reeducação”, disse a governante.

Francisca Van Dunem, não quis apelidar de “erro” o funcionamento do centro num anterior modelo de parceira público-privada, preferindo abordar o presente.

“Consideramos que temos capacidade para fazer isto sozinhos. As parcerias público-privadas têm que ver com as dificuldades do Estado em empreender, sozinho, certos programas, mas, neste contexto, sentimos que temos capacidade para isto”, vincou a ministra da Justiça.

A governante lembrou que “depois de um pico de jovens institucionalizados, em 2012, a tendência está inverter-se desde 2016”, considerando que “este tipo de espaços já não precisam de ter tanta capacidade”.