Centro Hospitalar lidera emissão de receita sem papel

642

Na primeira semana de janeiro, a prescrição de RSP ultrapassou os 40 por cento, sendo que a média nacional está nos 13.

Na área geográfica tutelada pela Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN), o Centro Hospitalar Póvoa de Varzim/Vila do Conde é a instituição que lidera, em janeiro, a percentagem de emissão da Receita Sem Papel (RSP), quer no comparativo com todo o tipo de instituições de saúde (incluindo os ACES / cuidados de saúde primários), quer na comparação com todos os outros hospitais.

No comparativo global, a percentagem alcançada pelo CHPVVC é de 41%, quando a média nacional, bem como a da área da influência da ARS-Norte é de 13%. Os resultados melhoram ainda no cômputo hospitalar e no comparativo com outras instituições similares. Aqui a percentagem de RSP alcançada pelo CHPVVC sobe para os 42%.

Estes resultados – divulgados pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) – refletem uma das principais apostas do CHPVVC, que integrou o projeto-piloto e cujos objetivos se têm acentuando desde meados de 2018. À RSP junta-se uma série de medidas enquadradas no projeto SNS Sem Papel.

Internamente, o Conselho de Administração e a Comissão Local de Informatização Clínica (CLIC) têm desenvolvido um trabalho onde de destacam (para além da RSP) a desmaterialização das notas de alta, a informatização dos diários clínicos e a requisição eletrónica, ao exterior, dos Meios Complementares de Diagnóstico, entre outras novas práticas. Em curso está também o processo de digitalização de documentos físicos para o processo clínico eletrónico.

Esta é uma revolução em curso que envolve todos os grupos profissionais. Entre as iniciativas adstritas ao SNS Sem Papel destaque ainda para a extensão da aplicação SClinico à Unidade de Cirurgia de Ambulatório e ao Serviço de Urgência, bem como a desmaterialização dos processos relativos à primeira consulta.

Todas estas vertentes estão em fase de absoluta consolidação no CHPVVC. A face mais mediática do projeto do SNS Sem Papel – a RSP – absorve a posição pioneira ocupada pelo CH.