Empresa que agencia Patrick nega afirmações da direção do Varzim e admite levar caso a tribunal

A empresa MNM – Sports Management Lda. e do seu representante Fernando Meira, gestora da carreira desportiva do avançado Patrick Fernandes, refuta em comunicado, as afirmações do Varzim, de segunda-feira, quanto à não continuidade do atleta no clube poveiro.

Na nota, publicada nas redes sociais pela empresa na segunda-feira, esclarece que apesar do Varzim ter o conhecimento que o atleta é representado pela MNM, o clube poveiro abordou diretamente o jogador, que tem contrato com o clube algarvio até final de junho.

No entanto, a 31 de maio, segundo a MNM, um representante da empresa e o jogador, reuniram com o presidente do Varzim, onde terá sido apresentada uma proposta de contrato para a próxima época, mas com um salário “inferior aquele que o jogador vinha auferindo”.

Para a empresa, “em algum momento foi transmitido ao Varzim a aceitação da proposta”, como “jamais o jogador ou a MNM – Sports Management Lda. acordaram com quem quer fosse do Varzim Sport Clube celebrar qualquer contrato de trabalho com efeitos a partir do dia 1 de julho de 2021.

MNM ameaça com tribunal

A MNM afirma que “o futebol necessita de pessoas que saibam estar e que tenham consciência da responsabilidade que é dirigir uma instituição como os clubes, muitos deles centenários”, e em conjunto com Fernando Meira “reservam-se o direito de agir judicialmente na defesa da sua honra e do seu bem nome o que farão, no momento, lugar e modo que entenderem mais adequados”.

No comunicado a MNM explica que a chegada do avançado ao Varzim no último mercado de inverno “foi possível pela negociação com Américo Campos, então vice-presidente do Varzim”.  

Varzim critica atitude de atleta e empresário

Recorde-se que na passada segunda-feira e também via rede social, o Varzim acusou o empresário Fernando Meira, “que nas negociações se fizera representar, ter confirmado a presença para assinatura do contrato de renovação com o Clube, em dois momentos distintos, sem que nada o fizesse prever não compareceu, e ‘encomendou’ ao dito ‘empresário-conselheiro’ a tarefa de comunicar, que não assinaria o compromisso estabelecido e de forma cavalheira de véspera, com o Varzim SC”.