Produtores do leite exigem medidas para o setor

661
A contestação serviu para reivindicar o aumento do preço do leite, exigindo também uma nova estratégia para o setor, mudança na liderança da empresa e diminuição nos salários “milionários” dos administradores.
A manifestação convocada pela Aprolep (Associação dos Produtores de Leite de Portugal), que tem vários associados da Póvoa de Varzim e Vila do Conde, surgiu após a diminuição de 1 cêntimo por litro que começou a 1 de agosto, causando prejuízos aos produtores. Os produtores pretenderam “demonstrar a revolta dos produtores face a mais uma descida do preço do leite depois de a Lactogal em 2017, ano difícil para a produção, ter obtido cerca de 44 milhões de euros de lucro”.
Sobre a iniciativa, a Proleite veio em comunicado esclarecer que a Aprolep “não representa os Produtores da PROLEITE, os quais sendo Produtores Cooperativos têm o direito de expressar as suas opiniões quanto à gestão da Cooperativa nos locais institucionalmente previstos para o efeito”.
Na nota enviada às redações, a Proleite refere “que a redução de 1 cêntimo por litro decidida unanimemente na passada semana, aplica-se à entrega de leite das cooperativas à Lactogal, sendo que a Proleite efetuou um esforço significativo possibilitando que a quebra de remuneração do leite aos seus produtores seja inferior a 0,5 cêntimos por litro”, defendendo que o Governo “devia ter aqui um papel mais ativo na defesa da produção nacional, a exemplo do que aconteceu em Espanha, assim como a promoção de uma cadeia de valor mais equilibrada, nomeadamente no que respeita à postura da Grande distribuição.