PSD apresenta candidatos à freguesia de Gião e união de freguesias Rio Mau-Arcos

Foram apresentados esta terça-feira os candidatos do PSD à junta de freguesia de Gião e à união de freguesias de Rio Mau-Arcos para as próximas eleições autárquicas.


Em Gião, a cabeça de lista é Susana Ramos, professora do ensino básico. Na apresentação, A candidata evidenciou a sua “ligação com a freguesia”, nomeadamente num trabalho social onde nunca abdicou de ser uma “voz presente e ativa”. Além da reflexão sobre a situação atual da freguesia, apontou as linhas mais gerais sobre o modelo de atuação que pretende imprimir no seu primeiro mandato.

“Somos uma freguesia com referências antigas, decorada por belas paisagens, ‘corredor’ de peregrinos de Santiago de Compostela e reconhecida pelo seu povo dinâmico e tradicional. Teremos como foco a vertente social, pois a freguesia, assim como o mundo, ficou abalada após a devastação financeira e económica que a pandemia causou”, disse no discurso.


“Queremos devolver a confiança à população e demonstrar às micro e médias empresas que Gião é o Sítio ideal para se investir. Queremos incentivar os jovens a prosseguir os estudos além do Ensino obrigatório, fornecendo-lhes a orientação e ferramentas para o seu futuro. A tecnologia e as redes de wi-fi devem estar acessíveis à população residente e transeunte. Precisamos de incentivos à natalidade, de cativar a fixação de novas famílias e de garantir condições e serviços facilitadores da população, especialmente da mais envelhecida”.


Candidato a Rio Mau-Arcos quer combater desertificação e estimular turismo
O candidato a Rio Mau-Arcos é o empresário Nelson Costa. Tendo destacado a estrutura “administrativa, nova e aglutinadora”, quer imprimir a “forte vontade” de união e coordenação entre as duas comunidades que ficam sob a responsabilidade de mesmo executivo. Preconiza a “potenciação da tradição” para gerar uma consolidação da atividade turística e uma “resposta efetiva às profundas dificuldades” sociais, saúde pública e económicas que a União de freguesias tem vindo a sofrer.

“Queremos quebrar as hegemonias socialistas que nada mais trouxeram que uma cumplicidade pobre com o poder central e cultivaram uma norma de conservadorismo de gestão que adiou o nosso futuro coletivo”, vincou. “Entendemos que é aqui e agora que se dá a oportunidade para fomentarmos uma política local de dinamismo económico. Este dinamismo passará por gerar condições para consolidar o nosso tecido empresarial sem descurar a profunda necessidade de inovar”.


Nelson Costa continua: “Seremos a primeira barreira que evite o abandono das nossas terras e com isso se dê uma desertificação do território ou mesmo uma transformação do modelo de vivência nas nossas terras. Iremos, abertamente, opor-nos à imposição natural de transformar a nossa União de Freguesias numa zona dormitório do concelho ou mesmo da região”.


Também quer “construir uma solução clara para consolidar as condições básicas para a vida turística do nosso território”, completou. “Torna-se inacreditável como é que até hoje nada foi feito para garantir a segurança e a qualidade de meios para os milhares de peregrinos que atravessam o nosso território”.


Candidato à Câmara denuncia “responsabilidades políticas e exclusivas” do PS e da NAU
Pedro Soares, candidato à Câmara, voltou a denunciar as “responsabilidades políticas e exclusivas” do PS e da NAU sobre os problemas estruturais que padecem sobre o concelho.

Deste modo, e como sinal de esperança para um “futuro melhor”, o projeto que lidera tem demonstrado “uma panóplia de novas ideias que, curiosamente, têm vindo a ser replicadas” pelos seus adversários políticos.