Paragem de jogos e treinos preocupa basquetebol do CDP para o que falta da ProLiga

Depois das medidas anunciadas pelo primeiro-ministro para conter a pandemia, a secção de basquetebol do Clube Desportivo da Póvoa, além de suspender os treinos a partir de sexta-feira, reuniu para fazer um ponto de situação. Segundo as indicações do governo, só as primeiras divisões de cada modalidade com competições equiparadas a profissionais poderão continuar a jogar. O CDP milita no segundo escalão designado ProLiga e luta pela subida de divisão.

Na sequência da reunião, o emblema poveiro manifestou as suas preocupações junto da Associação de Basquetebol do Porto, e solicitou esclarecimentos mais precisos.

“Neste momento, às medidas que vigoram há 15 dias que não permitiram competir no fim de semana, somam-se as agora anunciadas que não permitirão competições no próximo mês”, pode ler-se na nota a que o MAIS/Semanário teve acesso. “Estes dados apontam, portanto, para uma paragem de competição superior a 45 dias, que é o chamado ‘ponto crítico’ previsto em regulamento”.

A este cenário, soma-se “a novidade de ter sido decretada a proibição de realização de treinos que tem, entre muitas outras, consequências na condição física dos atletas”.

Por tudo isto, é entendimento do CDP que o campeonato da ProLiga “merecerá uma reflexão” pela Federação Portuguesa de Basquetebol e um diálogo com os clubes para que seja possível articular “a melhor forma de terminar a prova”. Este regresso à competição “não nos parece, neste cenário, possível no próximo mês e meio/dois meses”, avisam.

O CDP espera uma posição da Federação Portuguesa de Basquetebol “que nos permita avaliar a racionalidade do nosso entendimento e, assim, tomar as medidas que julgarmos necessárias com os nossos atletas e transmitirmos-lhe as informações mais concretas e precisas possíveis mesmo nesta fase que, para todos, é de incerteza”.

A concluir, o Desportivo ressalva que mantém “a 100%” sua postura de colaboração com a Federação Portuguesa de Basquetebol e Associação de Basquetebol do Porto para a realização das competições. Porém, “não podemos neste momento abdicar de transmitir a mais clara informação aos seus atletas bem como acautelar a racional gestão financeira nos gastos que a operacionalização do plantel acarreta”.

Foto CDP